(Análise) Beacon - Two Door Cinema Club



Em setembro do ano passado (vazado em agosto) o Two Door Cinema Club lançou seu 3º álbum o “Beacon”, um trabalho muito esperado pelos fãs devido a promessa de algumas mudanças no som da banda, então depois de algum tempinho e sob o efeito do grande show da banda no Lollapalooza lá vão as minhas impressões sobre o último som dos caras.
Sim, devo dizer que estou bem atrasado, mas foi bom ter conhecido o álbum só depois do Lolla, antes disso devo dizer que o lançamento não me deu vontade suficiente de procura-lo pela internet ou muito menos ouvir a versão que vazou no soundcloud, não sei dizer o real motivo, mas vamos ao que interessa, vou comentar um pouco sobre algumas músicas, não todas.
O álbum começa com um hit, Next Year, um dos singles mais tardios do novo trabalho, ele até virou um clipe com imagens do falado documentário da banda da turnê de verão. A música é bem no estilo do Two Door Cinema Club: Letra curta, guitarras agudas e moduladas (a lá indie dançante), além da bateria característica da banda, ritmo dance e algumas camadas de teclado que se tornam mais evidentes no refrão. É uma das músicas que o pessoal deve cantar nos shows e que deve ter cantado no show do RJ antes do Lolla e acabou cantando no próprio. Eu mesmo depois de algumas ouvidas já estava cantarolando: “Maybe someday you’ll be somewhere, talking to me as if you knew me”.
Pulando algumas boas músicas (Someday que tem um baita som de baixo) chego a Sleep Alone, a música responsável pela abertura do show dos caras no Lolla e da trilha sonora do FIFA 2013 (tive que pesquisar essa). Quando ouvi pela primeira vez pensei ser do Tour History o antecessor do Beacon, ela é bem TDCC, os rifss constantes de guitarra no fundo e a melodia lembra muito trabalhos anteriores, mas isso não tira o mérito, é um belo pão com ovo, deu pra fazer muita gente dançar.
Setlle, o instrumental que abre essa música me lembrou sons da banda Australiana Hillsong United, pois é, um Radiohead do Lotus Flower não tão bem executado com um pouco de U2 e umas baterias meio coldplay, surpreendeu.
Pyramid é a faixa que eu chamaria de: “Deus salve o Delay”, guitarra do começo ao fim apoiada nele e outra, o riff de baixo dela é muito bom, achei que faltou volume na hora da mixagem, mas quem sou eu pra criticar o cara que fez esse CD, é o mesmo que produziu R.E.M e U2(acho que é daí que vieram as guitarras de Setlle). Falando bem grossamente Pyramid tem um andamento bem trabalhado, digo na questão de instrumentação, além do final, ela termina sem instrumento algum soando, achei legal.
Quase terminando temos Beacon, mais do mesmo porém com 1min de instrumental. Eu como fã de baixo fui obrigado a incluí-la na lista, começa com um riff agudo notável, entra guitarra na modulação normal do TDCC, sem drive, alguns minutos de música escutamos a voz com muito reverb, algumas paradas, um pouco disso daquilo e nos encaminhamos para o fim do álbum com Remember My name, mais contra baixo bem agudo, guitarras agudas, só não posso falar que a bateria está aguda porque isso eles preservaram o som de sempre, mas é na linha do som deles, música calma de encerramento mesmo, fechou bem o álbum, uma faixa curta, mas que fez o que tinha que fazer.
Ufa, depois de tantas linhas o que tenho a dizer é que: Two Door Cinema Club investiu em produção e deu uma leve mudada no som da banda, não sei se pra melhor, mas atribuiu mais peso eletrônico e viajou bem nesses instrumentais a lá U2, quem ouviu faixas ao vivo desse novo álbum pode ter notado a viajada grande que as músicas tem com os sintetizadores, eles dão mais peso ainda nas versões live. Não posso dizer que inovaram, mas fizeram o comprido, começaram bem com uma faixa muito boa (minha preferida do álbum), deram uma caída e ao fim foram apresentando novas sonoridades. Vale a ouvida, quem ainda não ouviu Two Door Cinema Club não vai pegar uma nova etapa da banda, mas sim vai quase que ouvir uma continuação de Tour History, músicas na mesma linha porém com toques instrumentais e vocais que deixam claro que a banda amadureceu.
DROPS:
Procurem a versão deluxe do álbum, ela tem um disco 2 com sucessos da banda ao vivo, não só as faixas do álbum Beacon, mas também do Tour History. As versões ao vivo surpreendem.

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.