5 músicas de protesto

São Paulo-SP, Brasil
Nos últimos dias o país vem vivendo uma onda de manifestações sociais. Muitas pessoas se aliaram a causa e decidiram lutar de vez pelos seus direitos. São milhares de brasileiros pelo país indo às ruas e pedindo por uma melhor utilização do dinheiro público. O New Yeah reuniu uma série de bandas que usaram a música como forma de manifesto para mostrar que dentro da arte esse ativismo já vem de algum tempo.



A banda Muse sempre compôs sobre assunto relacionados a política e economia. Suas músicas muitas vezes se tornaram hinos de diversas pessoas pelo mundo inteiro e nada melhor para representar isso do que o quarto álbum da banda "Black Holes and Revelations", que em diversas faixas faz pesados ataques aos governantes e seu sistema de governo. Uma das faixas que chamam atenção no álbum devido ao seu cunho revolucionário é "Knights Of Cydonia".

"Ninguém vai me pegar vivo / Chegou a hora de fazer as coisas certas / Você e eu temos que lutar pelos nossos direitos / Você e eu temos que lutar para sobreviver."



Em 2004 a banda Greenday lançou a ópera rock "American Idiot", uma crítica explícita ao governo de George W. Bush. A frase "Don’t want to be a american idiot? (Você não quer ser um americano idiota)", da faixa que dá nome ao disco, se refere a posição do povo americano em não protestar quanto a decisão do presidente de não retirar as tropas americanas do Iraque. "Holiday", do mesmo álbum, critica a política dos EUA de "se não nos agrada, nós invadimos e dizimamos", vivida no país naquela época.

"Eu imploro para sonhar e discordar das mentiras vazias / Esse é o amanhecer do resto de nossas vidas."



No Brasil, em 1986, no período pós-ditadura, o Titãs lançou a canção "Polícia". Um dos destaques do disco "Cabeça Dinossauro", a música já  foi tema de série de televisão e se tornou um hino no país. Foi regravada pela banda de trash metal brasileira Sepultura e incendiou o Rock in Rio de 1991.

"Polícia! / Para quem precisa / Polícia! / Para quem precisa de polícia."



Outra banda brasileira que usa a música como fora de protesto é o Dead Fish. Sua letras sempre foram ligadas a fatos políticos e, entre tantas, uma em especial pode representar melhor isso. "Tão Iguais", do 6º álbum da banda, faz uma crítica a corrupção do governo brasileiro e o descaso da população quanto a situação.

"Impunidade usada pra vencer / Comprada com seus votos / E sua omissão / Legislar ou pedir pão / Não seja tão honesto / Ou irá morrer!"



Na ópera rock "The Wall", de 1979, a banda inglesa Pink Floyd usou o personagem Pink para fazer uma analogia a situação social da época. Em "Another brick in the wall", pode-se ver claras referências a rígida disciplina que os professores aplicavam aos jovens ingleses. A canção serviu como um grito por liberdade dos estudantes de então, oprimidos por um sistema de ensino engessado e arcaico que mais parecia uma lavagem cerebral.

"Ei! Professores! Deixem essas crianças em paz! / Tudo era apenas um tijolo no muro / Todos são somente tijolos na parede."



A New Yeah não apoia qualquer tipo de violência ou vandalismo. Reivindicar e protestar é um direito e um dever da sociedade, mas são as soluções pacíficas que realmente geram as mudanças. Também apoiamos cada um de vocês a buscar conhecimentos políticos que embasem a sua luta. Só assim será possível conquistar melhorias para o nosso país e dar depois a devida resposta nas urnas. Afinal, as manifestações ajudam, mas o voto consciente é ainda mais poderoso na hora acabar com os males da sociedade.

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.