Experimente: o neo tropicalismo da Mal de Dois

Juazeiro, Brasil
O Brasil é, sem dúvida, uma das terras mais férteis da música mundial, com bandas de inúmeros gêneros e ritmos, que misturam dezenas de culturas e influências, gerando milhares e milhares de sons. Essa miscigenação deu origem a uma cena musical muito variada que, em todo canto do país, mostra a sua cara e o seu jeito característico de fazer arte. Inspirados por toda essa riqueza cultural, a dupla baiana Mal de Dois decidiu dar a sua versão para a prolífera mistura de brasilidade e rock'n roll.


A dupla formada por Cléber Jesus e Ricardo Gomes nadou contra a maré e produziu seus dois primeiros álbuns de forma independente, driblando dificuldades financeiras, para alegria dos apreciadores da boa música. Os dois trabalhos, que marcaram o pontapé inicial da Mal de Dois, também representaram a união de duas figuras já carimbadas no cenário cultural baiano das duas últimas décadas.

Tanto Bipolar Lado A quanto Bipolar Lado B, os dois discos carimbados pela dupla, trazem aos ouvintes canções claramente influenciadas, intencionalmente ou não, por gente do primeiro escalão da música popular brasileira, como Marcelo CameloRenato Russo Marcelo Jeneci. Na sonoridade, o grupo também voa longe, lembrando arranjos clássicos da MPB e referências internacionais como o indie folk de Copeland e o rock clássico dos Beatles. Se para você fica difícil entender como tudo isso pode se encontrar em uma sonoridade ímpar, os dois discos da banda são uma amostra perfeita de como a competência musical pode fazer este tipo de milagre.


Embora os dois discos apontem características bem semelhantes, Bipolar Lado B, lançado durante o festival baiano Umbuzada Sonora, demonstra uma evolução do duo se comparado ao primeiro disco lançamento. No disco mais recente, as guitarras e as baladas românticas flertam com a Jovem Guarda e dão um tempero especial ao som do grupo. Nesse segundo rebento, há espaço para a obra-prima "Minha velha", que esconde por trás de suas frases bem humoradas um mosaico cheio de saudade, dor e nostalgia.

"Depois de ter partido, me vigia lá do céu. Se foi num segundo, me deixou no mundo. A minha velha."



Lembra quando falamos que a banda é capaz de passear por inúmeras facetas com extrema facilidade? Pois o contraponto a melancolia disfarçada de "Minha Velha" está logo ali.

"Você não é o valor na sua conta bancaria, você não é seus sapatos nem sua roupa cara". É assim que começa uma das faixas mais pesadas do disco, "O porão". A canção tem o poder de deixar o ouvinte desnorteado, com uma porrada de frases memoráveis. São pouco mais de quatro minutos de um ritmo rápido e esmagador, em uma mistura entre punk e hard rock, com uma letra quase declamada ao som acelerado da bateria e do peso da guitarras. A letra, extremamente bem construída, aparece em alguns trechos como uma forte crítica a política baiana, abordando temas bem específicos e conhecidos do povo local.



Além de sentar ao ombro dos grandes nomes da MPB e dar prosseguimento a linhagem de um estado que já revelou João Gilberto, Novos Baianos, Gil e Caetano, a banda vai mais longe ao apresentar composições em inglês, demonstrando ali a sua vocação dentro da world music. As faixas internacionalizam o sotaque dos baianos, deixando o seu indie rock abrasileirado um pouco mais distante da Tropicália e um pouco mais próximo de suas influências estrangeiras.

A Bahia, acostumada a dar régua e compasso à diversas gerações de músicos, serviu como plano de fundo para Cléber e Ricardo encontrarem o seu rumo estético. Dentro deste rumo, o grupo vem lutando contra o marasmo cultural e contra as dificuldades que a cada dia dificultam mais o aparecimento e a manutenção de grandes nomes na música, algo que acontecia no passado com maior frequência. Na selva do show business contemporâneo, aqui pelo ano 2000, só o talento já não é o bastante. Sorte da Mal de Dois que o talento ainda continua sendo uma boa parte da coisa toda. Nessa caso, sorte nossa também.

Site oficial: www.maldedois.com
Página no facebook: www.facebook.com/maldedois

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.