Por que ouvir? Amianto - Supercombo

São Paulo, Brasil
A Supercombo sempre surpreendeu em seus lançamentos. Ainda assim, 2013 foi um ano mais surpreendente do que os habituais. Com uma formação totalmente reformulada e com novas influências na bagagem, a banda passou por um longo processo de rematuração. Cada show fazia com que os cinco excelentes músicos soassem cada vez mais como um único corpo sobre o palco, e o resultado deste processo árduo de conhecimento e estranhamento é agora colocado à prova com o lançamento do aguardado disco Amianto, que ganhou vida na última semana.

>> Veja também: dois paulistas, samplers, um nome esquisito e uma influência inegável dos Beastie Boys. Você já conhece a banda FingerFingerrr?


Amianto foi anunciado pela banda na metade do ano passado, mas, segundo eles, o embrião do disco teve origem na finalização do disco Sal Grosso, de 2011. Mas o que esperar de um grupo que teve a sua formação radicalmente alterada desde o último trabalho? A primeira resposta para essa pergunta veio com o single "Piloto Automático", o hino dos apressados, das pessoas que são guiadas pelo cotidiano, que esquecem de parar alguns minutos para reparar no que estão fazendo da vida. A complexidade da temática deixou no ar a pista de que a Supercombo viria mais profunda do que nunca.



O disco abre com "Matagal", uma porrada de guitarras e riffs incríveis, acompanhados por baixos distorcidos e pelos backing vocals de Toledo, um dos novos mosqueteiros da novíssima formação. Quem escuta a música até o final ainda ganha um bônus de piano assinado pelo criativo Paulo Vaz. "Campo de força" é a continuação de "Matagal'' e mescla um pouco daquilo que já ouvimos em alguns trabalhos anteriores da banda, só que agora pintada em novos tons, tamanha foi a liberdade dada aos novos integrantes para que eles imprimissem a sua cara no disco.

Canções quase conhecidas e composições inéditas se misturam no denso disco que marca a evolução musical da Supercombo.

"Menino", quarta faixa de Amianto, parece uma crítica aos guris de apartamento, mesclada a uma crônica sobre a poluição das grandes cidades, em um daqueles momentos de temática inusitada que lembram em muito a atmosfera da 2ois. Muito bem arranjada, com uma batucada roubando a cena na bateria. Logo depois temos "Sol da Manhã", com tantos detalhes no arranjo que até exigem duas ou três audições para que tudo seja ouvido detalhadamente.

"O Peso da Cruz", que já tinha sido tocada durante a participação da Supercombo no Showlivre, ganhou belos backing vocals e riffs bem colocados, com um ritmo mais cadenciando na bateria e um final de explodir cabeças. "Ela vai me acorrentar na areia e esperar a razão me devorar", diz a canção que vem na sequência. Mais uma vez um grande trabalho da banda, com todo mundo no vocal e um ritmo mais tranquilo, que engana o peso das guitarras que vêm chegando ao poucos até que tudo exploda mais uma vez com uma chuva de sintetizadores.


Outro ensaio, cena comum no cotidiano da Supercombo: o novo disco começou a ser arquitetado em 2011 e teve toda a calma do mundo para nascer da forma mais completa possível.

"Fundo do mar" aparece com um dos arranjos de bateria mais legais do disco e "Soldadinho" é ditada pelas notas do teclado. Envolta por violões e melodias singelas, é a faixa mais pop do disco, mas vai ficando pesada perto do fim, e se encerra com a voz de Léo ao lado de um aparente piano de brinquedo.

"Memorial" encaminha o disco para o final e ganha novamente a grande presença dos baixos e dos vocais de Carol Navarro. Ao fundo, guitarras muito bem arranjadas, sintetizadores e bateria quebrando tudo, em uma prova de que a nova formação, apesar do pouco tempo de estrada, já possui uma química única. Seguindo a mesma linha, "Autonomia" tem um ritmo mais esquizofrênico. Nela, a bateria e o baixo dão o ritmo de uma música com embalo quase dance no refrão - "Quero ser um anti-depressivo pra poder me medicar. Não depender de mais ninguém. Me salvar, te salvar."

"Amianto", a faixa título do álbum, chega orquestrada pelos pianos de Paulo Vaz e pelas as guitarras de Toledo. A música, mais do que uma balada suicida, mostra a maturidade da banda em seu novo trabalho. Lembrando antigas e tristes baladas da Supercombo, como “Calculista” e “Saudade”, “Amianto” é sem dúvida uma das grande letras do disco, e confirma com êxito a promessa de que o novo trabalho resumiria toda a trajetória da Supercombo até aqui.

O disco já pode ser adquirido na loja online da Supercombo ou no site da Livraria Saraiva.

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.