O vão que o EP do André deixa na gente

Vitória ES, Brasil
André Prando é um menino doido de Vitória, ES. Com 23 anos de vida, está lançando o seu primeiro EP, chamado Vão, que conta com letras baseadas na literatura e tem uma sonoridade que mistura psicodelia, MPB e rock progressivo. André já está em estúdio gravando o seu primeiro CD completo (que receberá o nome de Estranho Sutil), mas é o seu singular EP de estréia que ilustrará a resenha de hoje.



Quando botaram André Prando pra eu ouvir e falaram que eu poderia esperar algo entre a MPB e o progressivo, fiquei imaginando um som bem tropicalista. A primeira faixa do EP começa com um riff distorcido rolando num pedal de wah, logo mostrando que há no EP, sim, uma boa mistura de rock n’ roll e brasilidade. Quando você começa a ouvir um som e já balança a cabeça é por que tem algo bom rolando ali. As letras e as faixas vocais femininas na parte em que a música se torna calma encaixam bem e mostram que o cara sabe compor.



A faixa 2, "O Verme Ama", é um blues psicodélico, que mistura a voz rouca de André a um fundo de notas entrelaçadas que funcionam como uma rede pra você se jogar e olhar a chuva caindo fumando um cigarro, pensando em ser solitário por opção.

Mas nem só de peso se faz um EP, e a terceira faixa traz a prometida MPB, com uma letra bonitinha, que vai levando a melodia junto com o violão. Essa é pra passar a tarde no campo com uma menina linda imaginando que no mundo não há nada a não ser amor. Mas rola um certo desabafo sobre quem não sabe ser feliz com as coisas pequenas. Aqui tudo já é conjectura, mas é o pensamento que colou na minha mente e eu sigo cantando junto com o aaaah no meu violão.



Uma baladinha pra ser boa precisa uma pitada de raiva, de paixão, e essa mistura produz um som progressivo que transforma o doce em agridoce, com um sabor interessante pra quem está cansado de machucar a garganta tomando leite-condensado puro.

"Bem ou Mal" fecha o EP de um jeito belo, poético, mas a real é que o som do André Prando é bom demais pra caber em quatro faixas, e o título talvez seja a maior pista disso. Fica então o vão entre esse lançamento e o álbum completo. Que venha logo.

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.