Sky Fetish: os anos 90 são inspiração, não ressaca

Bagé - RS, Brasil
Em 1995, Billy Corgan e os Smashing Pumpkins estavam lançando o seu terceiro disco: o aclamado Mellon Collie and the Infinite Sadness - uma mistura de toda loucura que passava pela cabeça do frontman do Pumpkins, unida a maestria do grupo que, em 28 faixas, conseguiu uma estante inteira de prêmios. O que Billy Corgan não poderia imaginar é que o seu álbum, extremamente ousado e experimental, pudesse servir de influência para quatro caras no interior do Rio Grande do Sul, 18 anos depois. Hoje, o Smashing Pumpkins é a laranja principal do suco sonoro produzido pelos criativos caras da Sky Fetish, uma das bandas mais inovadoras que a fronteira gaúcha já produziu em escala estadual.


Bebendo das vertentes mais pesadas e sujas do rock até o alternativo, a gaúcha Sky Fetish conseguiu extrair da sua raiz noventista o que de melhor trouxe a época. Abusando das guitarras, dos solos sujos e dos vocais gritados, a banda formada em meados de 2011 por Diego Maraschin, Igor Montanari, Julio Maraschin e Giuliano Machado decidiu dar uma nova roupagem a tudo aquilo que foi ouvido no auge do grunge e do stoner, transportando o ouvinte direto a uma cena dos anos 90, com muitas calças rasgadas, camisetas pretas e guitarras distorcidas.

"Ouvindo a Sky Fetish, fica fácil reimaginar as paisagens dos anos 90: os seus tênis com luz no calcanhar e a voz de Kurt Cobain amplificada nos nossos ouvidos"

O som da banda pode ser reconhecido logo na primeiras audições, mantendo sempre uma marca própria e uma sonoridade muito singular. Sua vasta lista de influências cita nomes como as conterrâneas portoalegrenses Loomer e Badhoney, evidenciando ainda mais a sua diversidade de influências musicais. 

No início des 2014, a Sky Fetich trouxe ao mundo o álbum You Can Be Me When I'm Gone, o primeiro registro completo da banda em estúdio. A exemplo do já citado Smashing Pumpkins, a banda de Bagé não economizou no material, e lançou logo um compilado com 14 canções inéditas, incluindo o já conhecido single "Not Again", divulgado no final de 2013 através de um videoclipe



O disco apresenta uma porrada de grandes arranjos e performances extremamente vivas, com riffs marcantes e muito rock, conseguindo mesclar muito bem o seu lado mais pop e a veia grunge/alternativa, misturando o peso da distorção e da bateria a solos melódicos e guitarras mais harmoniosas. Essa mistura fica muito clara logo na primeira faixa do disco, "Don't Belong", que já abre o trabalho com uma produção extremamente bem feita, algo comum e recorrente durante todo o disco. Em cada segundo de som, há paixão, mas há também profissionalismo e muita certeza daquilo que está sendo feito.

O sucesso do novo disco e a qualidade da banda, já apresentada pelos palcos do RS, levaram os quatro rapazes de Bagé a mais uma edição de um dos mais expressivos festivais do país, o Grito Rock, que, em sua edição realizada na cidade Santa Cruz do Sul-RS, pôde receber os drives sujos e a grandiosa competência da Sky Fetish em uma apresentação ocorrida no último dia primeiro de março.

Para conhecer ainda mais do quarteto gaúcho de "stoner-grunge-alt-rock", basta acessar a sua página oficial no Facebook e aproveitar para adquirir, lá, a sua cópia física do novo disco da banda. 

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.