Pacote de Março: Electric Garbage, Lucas Nadal e Café Cancún

Porto Alegre, Brasil
Não é novidade que o mercado de entretenimento e a música alternativa caminham em direções muito opostas, e isso está expresso na movimentação que observamos no início de 2015. Se para a grande mídia e para o varejo o ano novo começou só depois do Carnaval, para os artistas que movimentam-se para além do mainstream os meses de janeiro e fevereiro já tiveram dias de muito trabalho, e os lançamentos para março mostram um pouco do que foi produzido durante os primeiros dias do ano novo. Electric Garbage e Lucas Nadal, ambos vindos de bons trabalhos de estreia, encaram a sua segunda leva de lançamentos com uma bagagem maior de influências, produzindo canções mais densas do que as que marcaram os lançamentos passados. Ao lado deles, os novatos da Café Cancún estreiam como gente grande e apresentam o seu primeiro single de trabalho. Em primeira mão, os melhores singles que chegaram à nossa redação nas últimas semanas.



"Backbone", Electric Garbage

Quase três anos se passaram desde o EP homônimo lançado em 2012, e muita coisa mudou na Electric Garbage desde então. Alterações na formação, novas influências e mais experiência na estrada geraram uma versão repaginada do conjunto potiguar. Esta nova face foi finalmente mostrada ao público na semana passada com o lançamento do single "Backbone".

Novidade na nova formação, a vocalista Mariana Nobre já surge mostrando a que veio, imprimindo um tom mais otimista ao som do grupo e dando continuidade à sólida participação de Carol Chaves no trabalho de estreia. Mariana também assina a letra do novo single que, embalado pelos arranjos dos remanescentes Mozart Galvão, Pedro Henrique, Renan Menezes coloca a banda em um segundo estágio de evolução. Mais limpo, mais dançante e mais melódico do que soava há três anos, o grupo potiguar faz o que muitos julgariam impossível: torna a sua obra mais acessível sem abrir mão da sua ética musical, sempre baseada em influências vindas do mais fino rock britânico das duas últimas décadas.


"Call It What You Want", Lucas Nadal

Também voltando aos lançamentos maiores, Lucas Nadal acrescenta mais um item à sua prolífera discografia. Flesh And Blood é o seu segundo álbum, mas o caminho entre as duas obras fundamentais de Lucas foi marcada por singles e pequenos lançamentos naturais a quem tem compulsão por criar novas soluções sonoras. Equilibrando-se em um muro imaginário existente entre o rock alternativo e o hard rock, o disco novo é muito mais do que a mera continuação de um projeto solo.

Com um timbre de voz mais aberto do que mostrou no seu primeiro álbum, Lucas também abre espaço para novas influências e apresenta uma sonoridade que soa mais alegre do que qualquer coisa apresentada em Train Wreck. O símbolo deste novo momento é o single "Call It What You Want", que cruza as velhas influências a um tom menos soturno, alterando a aura sobre o artista, que ainda trilha os caminhos abertos pela estreia, mas se recusa a ficar limitado a um estilo ou rótulo específico.



"Queimar", Café Cancún

Novata com cara de velha conhecida, a Café Cancún prepara o seu plano de expansão para 2015 e deposita sobre o seu disco de estreia uma grande expectativa. Até por isso, o grupo tem dedicado uma atenção quase artesanal ao álbum, que vem sendo montado desde o ano passado com a ajuda do produtor Caio Ricci.

Ainda em busca de uma identidade, mas com ambições bastante claras, o grupo liberou no final de fevereiro o single "Queimar", que já é uma pílula do que podemos esperar do álbum completo. Antenada ao que acontece de mais moderno no rock contemporâneo e ao mesmo tempo ligada às bandas mais embrionárias do rock nacional, a Café Cancún propõe uma solução estética para um rock tipicamente brasileiro, honrando a tradição dos anos 90 e evitando o cheiro de mofo ao juntar novos pontos de vista a boas doses criatividade.




As três bandas mantém um bom ritmo de atualizações no Facebook e maiores informações sobre atuais e futuros lançamentos podem ser conferidos aqui, aqui e aqui. Até o próximo pacote, pessoal!

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.