Clashing Clouds e a arte de unir Beatles e Caravaggio

RJ, Brasil
Eles poderiam ser a sua banda inglesa favorita, se fossem realmente uma banda inglesa. O disco Pig, por sua vez, poderia ser o terceiro ou quarto disco de uma das suas bandas prediletas, se não fosse apenas o primeiro trabalho de uma banda que você ainda precisa conhecer. Surgida no Rio de Janeiro e aparecendo para o país com um disco bastante elogiado pela crítica, a Clashing Clouds poderia também estar dando um passo maior do que as pernas ao estrear a bordo de um disco conceitual. Não é o caso. Com uma maturidade precoce conquistada com muitas horas de estúdio e boas experiências sobre o palco, os cariocas queimaram algumas etapas, pularam a fase "bola, casa e sol" e já saíram escrevendo a palavra "inconstitucionalissimamente" assim que aprenderam a juntar as sílabas.



"É o nosso disco de estreia, mas antes disso nós ficamos muito tempo nos bastidores e integramos outras bandas antes de tocarmos juntos", explica o vocalista Fábio Figueira, justificando a maturidade encontrada nas canções de Pig, disco lançado pelo grupo no início de 2015. Ao todo, são nove canções que passeiam por temas densos como a loucura, a negligência e o hedonismo da vida contemporânea. Para abordar tantas temáticas atuais sem cair no clichê que as tem envolvido, a banda foi buscar referências em obras fundamentais de músicos e poetas de outras épocas, deslizando também para outras artes quando necessário.

"Caravaggio e Renoir representaram muito bem a realidade crua e cristã, a beleza sedutora e a perda da sanidade nas suas pinturas", contou Fábio, explicando a inclusão dos pintores na letra de "Bad Bad Boy" - uma das melhores faixas do disco, que Noel Gallagher se sentiria à vontade para compor em sua fase "The Importance Of Being Idle". Para o vocalista da Clashing Clouds, a busca por referências fora da música não é um fetiche, mas algo natural para quem produz arte a partir da observação. "Por mais que não sejamos tão conceituados como as fontes que nos inspiram, somos observadores e sentimos. Por isso o álbum faz referência a artistas plásticos como Renoir, a vários casos de crimes, a Bowie, a Beatles e a muitas outras coisas".



Entre referências, belos acordes e um inglês impecável, o grupo carioca vai, musica a musica, contando a história de corações, vísceras e egos escondida por trás dos personagens Johnny Biggs e Mary McGuire. "Nós começamos a banda já falando sobre um EP com uma estória em quadrinhos. As coisas foram acontecendo e de repente nos vimos com o 'conto' do primeiro EP desenvolvido em nove musicas", narra Fábio, evidenciando que a escolha por um disco conceitual foi intencional e acidental ao mesmo tempo. "Não foi de propósito, mas também não foi sem querer. A verdade é que somos dependentes de arte e toda a chance de fazer um pouco mais certamente não é desperdiçada."

Dosando pesos, ritmos, melodias e um timbre de voz à la Bowie, o grupo ainda é responsável por outros grandes momentos ao longo do disco, especialmente em "Space Ghost", que resume bem a obra como um todo e, por que não dizer, a identidade da banda em sua primeira face: um grupo com bagagem cultural rica mas que consegue transformar fontes muitas vezes eruditas em arte palatável e perceptível até para quem nunca ouviu os lados B de Space Oddity.



Enquanto recolhe feedbacks dos mais variados (quase todos bem positivos, diga-se de passagem), o grupo promete um clipe que ajudará a contar melhor a história relatada no conjunto de canções. Além disso, novas canções não devem demorar a aparecer, até porque a Clashing Clouds segue gravando e dando continuidade ao seu jeito workaholic de encarar a música. "Pretendemos superar o Pig com o próximo álbum", comenta Fábio, antes de finalizar: "Queremos fazer outro álbum. Gravar várias musicas soltas não é a nossa vibe. Gostamos de afundar na temática, pensar em roteiros, personagens, referências e por ai vai."

O disco na íntegra pode ser ouvido no SoundCloud da banda. As novidades do grupo, a agenda e as histórias que a CC gosta de contar podem ser conferidas na Fanpage da banda no Facebook.

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.