FingerFingerrr: de sintetizadores a Beastie Boys

SP, Brasil
No final dos anos 70, surgiram diversas bandas nos Estados Unidos que usavam ritmos acelerados, poucas notas e um volume extremamente estridente para transmitir as suas filosofias libertárias. Nessa época, em meio ao conturbado mandato do republicano Ronald Reagan, a música foi a arma de muitos jovens que queriam propagar as suas ideologias. Entre os que se fizeram ouvir, estavam grupos como os lendários Minor Threat e Bad Brains. Ao final do ciclo que essa cena teve, muitas dessas bandas se dissolveram, e outras seguiram novos caminhos ao ponto de se reinventarem, mesclando a sua base musical a outros estilos e referências mais abrangentes. O maior exemplo dessa readaptação foram os Beastie Boys, que encontraram na mistura do rap e do punk a formula ideal para continuar o seu legado após a pulverização da onda. A alguns quilômetros de distância da banda novaiorquina, os paulistas do FingerFingerrr também ousaram intercalar estilos que não pareciam estar muito próximos uns dos outros. Da junção que passa por rap, noise, punk e synthpop, a dupla retirou algo novo e ainda pouco explorado no Brasil.



Com talento para intercalar referências improváveis, o duo paulista Fingerrr chegou mais longe que muitos grupos surgidos em grandes centros do rock internacional.

O FingerFingerrr é um duo de rock alternativo que tem como base na cidade de São Paulo, mas que desde a sua formação, há dois anos atrás, já conseguiu tantos feitos fora da sua terra que pode ser considerado uma banda de muitas casas. Donos de uma apresentação marcante na lendária loja ianque Cactus e de um show no importante festival SXSW, em Austin/Texas, os caras acumulam uma série de experiências marcantes nada comuns pra um projeto que possui apenas um EP e alguns singles. O reconhecimento, além de ser fruto da grande qualidade musical que a dupla consegue mostrar, tem a ver também com o formato pop dos sons da Finger, que consegue usar muito peso sem deixar de ser acessível - ao ponto de figurar, inclusive, na programação MTV gringa.

Musicalmente, o projeto consegue cumprir muito bem essa ponte entre o alternativo e o pop, por ser capaz de misturar timbres potentes de guitarra, a la Place to Bury Strangers, com riffs de sintetizadores que lembram muito algumas bandas de indie rock e indie pop da Inglaterra. À vontade em meio ao redemoinho, a banda pode soar mais funkeada, como o novo single "Buck You", ou mais folk e pop, como nos acordes estimulantes de "Find a Way".

A habilidade rara de conciliar estilos é, de fato, uma das características que mais chamam atenção no som. Para além disso, chama ainda mais atenção a identidade facilmente perceptível que todas as canções possuem mesmo sendo frutos de um turbilhão de referências. É possível identificar que a intro suja de "Punksy" foi feita pelos mesmos caras que tocam a base folk da já citada "Find a Way". Existe uma conexão clara entre tudo, ainda que ela não seja verbalmente possível de descrever



Recentemente, a banda lançou um novo single. A faixa nova, além de ir ainda mais longe na sonoridade apresentada, comprova mais uma vez todo esse último comentário, deixando clara a habilidade do duo de produzir sonoridades consistentes a partir de infinitas referências que se revezam a cada nova experiência. O single "Buck You" foi lançado no final de março, contando com o apoio de um lyric vídeo. O som, se assemelha a algumas propostas já apresentadas antes pela banda, onde as linhas de baixo bem funkeadas se unem a sintetizadores e vocais rasgados e bem modulados, criando perfeitamente uma transição macia entre momentos de fúria e de tranquilidade.



Feitas as devidas análises, dá pra considerar que o grande talento da FingerFingerrr é o de caminhar com autoridade entre estilos, gêneros, contextos, cenários e realidades, criando pontes entre cenas musicais distintas, misturando e criando grande mutações sonoras capazes de soar com uma unidade desconcertante. Nenhum detalhe é deixado de lado, e, quando todos os detalhes se unem, o resultado é verdadeiramente hipnotizante.

Para conhecer mais da banda, basta acessar o seu site ou a sua página no Facebook. Nessas duas páginas, você encontra todo o conteúdo relacionado ao seus lançamentos e a sua agenda.

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.