Tuyo: música de dentro pra fora

Porto Alegre - RS, Brasil
Quando o cantor e compositor Rodrigo Amarante lançou o disco Cavalo (2013), ele comentou em diversas entrevistas que a produção de seu primeiro trabalho solo foi encarado como um recomeço, um momento de sua carreira onde ele escolheu se afastar de si mesmo para conseguir se enxergar de fora e melhor. Esse distanciamento em muitos casos pode trazer resultados muito interessantes; e um exemplo disso é o sucesso que o disco de Amarante fez e ainda faz. Mas esse processo criativo é apenas uma forma dentre as muitas possíveis. Existe, por exemplo, uma outra possibilidade: a de se aproximar ainda mais de si ao invés de escolher o distanciamento. Apoiados nessa segunda linha, os paranaenses da Tuyo, trio composto por ex-integrantes da banda Simonami, escolheu ir ainda mais fundo na gaveta de suas lembranças e criar um disco que nasce no profundo interior e só depois ganha o mundo.



Composta por Lay Soares, Jean Machado e Lio, a Tuyo deu o seu primeiro suspiro de vida em uma postagem de Facebook em fevereiro deste ano, anunciando que um novo projeto iria sair do forno e que, segundo era comunicado, ele iria misturar o lo-fi com os beats em canções capazes de fazer sangrar o coração. Após esse anúncio, a banda acumulou algumas interações com os seus seguidores e lançou alguns singles que conseguiram levar a Tuyo de apenas um projeto de ex-integrantes de um grupo acima da média para uma banda capaz de lotar um teatro em seu show de estreia em São Paulo, a quilômetros de casa. O resultado de um trabalho totalmente transparente, profundo e cheio de cada um dos seus três componentes, capaz de trazer letras que conversam com diferentes momentos da vida de qualquer um que ao menos um dia tenha parado para lembrar do passado.

Letras que conversam com diferentes momentos da vida de qualquer um que um dia tenha parado para lembrar do passado.

Logo em sua abertura, “Pique da Salvação” consegue dar boas vindas ao ouvinte, mostrando de cara as principais características das faixas que virão: sons orgânicos, vocais como camadas sonoras e violão sempre com o papel de base principal.

Os sons produzidos pela Tuyo conseguem misturar diversas referências sonoras, organizando tudo em uma nudez que despe cada estilo e retira dele somente o que de fato importa. Esse resultado musical consegue ser o complemento perfeito para as letras carregadas de saudade e desilusões, cantadas pelos mesmos vocais que desde o Simonami já se destacavam pela maneira muito própria de expressar com simplicidade coisas nitidamente profundas.
    

Em relação a qualquer outro registro do gênero, que se aproxime dessa estética folk-acústica-triste, a Tuyo se destaca pela força das vozes e das letras, que casam perfeitamente com as trilhas em uma grande colcha de retalhos com histórias e experiências doloridas. Um disco que consegue tocar no fundo de quem ouve, principalmente por dar a impressão de que quem está cantando aquelas letras está de certo modo abrindo o coração para o ouvinte, no seu ouvido, contando sobre seus medos, suas angústias, seus sentimentos e até sobre a falta deles.

A Tuyo está no Facebook, no Spotify e no Bandcamp.

O que você achou disso?

Leia também:

Jim Morrison, morreu mesmo?

Histórias mal contadas, boatos estranhos surgidos com o tempo e possíveis reaparições após a morte até hoje criam muitas teorias em torno da morte do líder do The Doors. Continue lendo

Copyright © 2013 New Yeah Música, todos os direitos reservados.